Design Técnico

Double Diamond: o que é e como usar?

Algumas ferramentas e abordagens são extremamente úteis em situações que envolvem uma rotina com soluções de problemas complexos. Entre essas abordagens, existe a de Double Diamond, e neste artigo, explicamos a você o que é e como aplicar esse método em seus projetos. 

Neste artigo serão abordados os seguintes tópicos: 

  • O que é Double Diamond? 
  • Descobrir;
  • Definir; 
  • Desenvolver;
  • Entregar.

Tempo de Leitura: 5 Minutos.

O que é Double Diamond?

Desenvolvido em 2005 pelo Design Council, o Double Diamond é uma maneira simples de descrever o processo do design thinking. Usamos sua estrutura para entender os clientes ou usuários e seus problemas, explorando modos inovadores e criativos de solucioná-los e, com isso, causar um impacto positivo para os usuários.

Utilizando o Double Diamond podemos abordar problemas e soluções usando 2 tipos diferentes de pensamentos: Convergir e Divergir.

Pensamento Divergente: Expanda seus horizontes, mantenha a mente aberta, considere tudo e qualquer coisa.

Pensamento Convergente: agrupe as informações coletadas, traga de volta o foco necessário para identificar um ou dois problemas e soluções-chave.

Divergir e convergir formam uma base, que é sustentada por 4 fases distintas: descobrir, definir, desenvolver e entregar.

Descobrir

Esta fase marca o início do projeto. É quando praticamos o pensamento divergente. 

Isso significa que abrimos nossas mentes e consideramos tudo sobre nossos usuários, sem nenhum tipo de barreira ou impedimento. Nesse momento realizamos entrevistas, observamos como o usuário lida com o produto/serviço, escutamos o que têm a dizer e buscamos aprender tudo sobre eles, o que nos ajudará no processo de construção de empatia. Podemos realizar entrevistas, shadowing, análise de dados ou BI.

Uma vez levantadas, essas informações poderão ser utilizadas para construir um mapa de empatia ou o mapa de jornada do usuário, para que possamos mapear as reais necessidades dos usuários através desses insights iniciais.

Esse processo pode incluir: pesquisa de mercado, entrevista/pesquisa com usuários, estudos e aplicação de dinâmicas em grupo, mapas de empatia, jornada do usuário, etc.

Definir

Agora que entendemos o que os usuários sentem e fazem, damos início ao pensamento convergente. Isso significa que começamos a focar nas áreas-chave, convergindo em experiências específicas dentro da jornada do usuário.

Consideramos o que eles sentem durante esse processo, as dores e prazeres, e votamos para eleger as áreas que precisam de soluções. A partir da convergência dessas informações, da redefinição da hipótese/problema de dar ressignificado à discussão, nós convergimos para um problema que é palpável.

Esse processo pode incluir: a Matriz CSD, ou “Como podemos…?”, pontos positivos e mapeamento de dores.

Desenvolver

Agora, chegamos na metade do processo, e temos de decidir quais problemas tentaremos solucionar. Aqui, iniciamos novamente o processo de divergir. 

Abrimos nossas mentes para o processo de ideação, gerando uma lista de ideias objetivas, criativas e inovadoras. É fundamental considerar todas elas, com foco em gerar a maior quantidade possível de ideias, pois, nesse caso, a quantidade é mais importante que a qualidade.

Entregar

Precisamos assimilar as ideias do passo anterior e convergir naquilo que consideramos ser entregável e que solucionará as dores dos usuários. Devemos então prototipar  as soluções encontradas, testar e coletar feedbacks para iniciar um novo ciclo, baseado nas informações assimiladas.

As empresas aproveitam esse estágio para avaliar o impacto do design do produto perante seus clientes, para quantificar o valor do bom design para a marca. É importante ressaltar que o trabalho não acaba no lançamento do produto/serviço. Na verdade, é aí que o trabalho realmente começa, pois é preciso escutar o que os usuários estão falando sobre e garantir que isso se reflita nas versões futuras. 

Não é interessante? 

Para finalizar, é importante lembrar que o Double Diamond é um framework e vai além de uma simples ferramenta para designers, pois pode ser aplicado para qualquer problema que requer uma solução. Cada um possui sua maneira de conduzir e utilizar a metodologia, mas o denominador comum é a necessidade de manter o foco na situação em questão, o que na maioria das vezes vai poupar seu tempo e otimizar o desenvolvimento dos seus projetos.

Autor(a)

nicholas lino

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.